Com 64% dos cargos de liderança preenchidos por mulheres, Orbitall apoia a equidade de gênero no mercado de trabalho

18 de Maio de 2021 por Stefanini

Em um país em que a população é formada por 51,8% de mulheres, a inclusão feminina no mercado de trabalho se torna cada vez mais importante. De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o percentual de mulheres que trabalham atualmente é de 45,8%. Dentro desse universo, estão as 2.520 profissionais que atuam na Orbitall, empresa do Grupo Stefanini.

Patrícia Ferreira de Abreu, gerente de operação da Orbitall, tem mais de 20 anos de experiência na área de atendimento e sua percepção é de que as mulheres possuem habilidades que são um grande diferencial na hora de lidar com o público. “Para trabalhar com operação, tem que gostar de pessoas, ter empatia, ter aquela vontade de cuidar e de desenvolver. Nas operações de atendimento ao cliente, é muito forte a presença de mulheres líderes, pois, além de serem muito bem-preparadas e qualificadas, até por terem se esforçado tanto nos últimos anos para poderem ocupar esse espaço, as habilidades femininas de abraçar, envolver e ouvir são grandes agregadores na hora de intermediar e trabalhar conflitos, não só dentro da operação, mas com os clientes”, conta Patrícia.

A gerente comercial, Fernanda Amorim, passou por empresas de diferentes áreas, mas se encontrou profissionalmente na Orbitall. Ganhadora de duas premiações consecutivas dos melhores do ano por ter superado metas, a líder compartilha o que acredita ser necessário para se alavancar nesse setor. “Os meus clientes na Orbitall falam que eu tenho uma característica importante que é a questão da transparência. Quando você trabalha com transparência, lealdade e tem formas de falar que prezam o cuidado e a empatia, você consegue construir um bom relacionamento. Hoje, não adianta você só vender e não fazer um pós-venda bacana, garantir a satisfação do cliente. Até porque, a referência positiva vende muito mais. Quando o cliente está satisfeito, ele acaba te indicando para outras pessoas”, conta Fernanda.

Ter jogo de cintura para conduzir um atendimento e tratar as pessoas com respeito são qualidades necessárias e encontradas nas mulheres contratadas pela Orbitall, de acordo com Rejane Laurentino, gerente de operação da empresa. A líder, que começou na área como atendente, e logo foi subindo de cargo, compartilha suas motivações e ganhos ao ingressar no mercado. “Naquela época, conseguia ser mãe, estar numa posição profissional muito boa e comprar os bens com o trabalho que exercia. Entrei por ser um campo com oportunidade de crescimento e saltos salariais significativos, e hoje, depois de anos de atuação e enfrentamento dos desafios da pandemia, continua sendo um crescimento diário. Apesar de ser uma repetição de script, não tem uma rotina, pois cada pessoa é de um jeito, o que torna possível aprender e evoluir diariamente”, revela Rejane.

Para ajudar no desenvolvimento dos profissionais e da liderança, a Orbitall criou programas como a Academia de Formação de Novos Líderes (AFL), no qual os colaboradores se candidatam para participar, e, por meio da análise dos indicadores, são selecionados para integrar o programa, que tem como objetivo proporcionar conhecimento para formar novas lideranças. Para os que já estão nesse cargo, há o Programa de Desenvolvimento da Liderança (PDL), que tem a duração de um ano e acontece por meio de encontros quinzenais, nos quais são abordados temas corporativos e de desenvolvimento, com a presença de um convidado especialista no assunto.

Há turmas em andamento e outras a serem abertas. A proposta é que 100% da liderança participe do programa. Sempre que entram novos líderes, planejamos a abertura de turmas. Inclusive, eu tenho feito parte do PDL, pois acredito que devemos buscar o aprendizado constante. Além disso, faço reuniões com as outras gestoras, para trocarmos ideias e formas de nos atualizar”, conta Natália Colomina, gerente de RH da Orbitall.

A Fernanda Thais de Freitas, gerente de operações, também faz parte do PDL, e conta sobre a importância da troca de experiências e conhecimentos entre os líderes, principalmente no cenário pandêmico. “Foi preciso desenvolver um novo modelo de gestão com a adoção do home office. Se reinventar e ressignificar as práticas fez com que fosse possível dar continuidade aos bons resultados de atendimento das operações. Estou na área desde 1999, e é um aprendizado constante”, diz Fernanda.

O intuito da Orbitall é capacitar cada vez mais os líderes, independentemente de gênero, e abrir oportunidades dentro da empresa para que aqueles que estão em outros cargos possam ser preparados para alcançar o crescimento profissional e atuar na liderança”, finaliza Natalia.

Compartilhe:
Veja mais sobre

Vamos cocriar, solicite uma proposta dos nossos especialistas