LGPD e segurança da informação: veja os desafios dessa digitalização!

12 de Novembro de 2021 por Stefanini

O avanço do uso de tecnologias no dia a dia gerou preocupações sobre a proteção dos dados. Empresas precisaram se adaptar quando a legislação passou a ordenar juridicamente essas questões. Além disso, as próprias soluções de TI começaram a apresentar meios para evitar tais problemas. 

Como gestor, para que você possa agir da forma correta, sem deixar de aproveitar as inovações que favorecem o desenvolvimento dos seus negócios, é preciso compreender a relação entre LGPD e segurança da informação

Pensando nisso, elaboramos um artigo que trata do tema de forma clara e objetiva. Confira!

Qual é a importância da segurança da informação?

A segurança da informação é importante tanto para empresas como para pessoas. Esse conjunto de recursos visa proteger dados, assegurando que somente sejam acessados por pessoas autorizadas e usados para fins permitidos. Entenda seu papel!

Impedir o uso indevido de informações

Um exemplo dessa situação, ocorre quando uma pessoa faz um cadastro em um site ou rede social, a fim de ter acesso a um conteúdo gratuito e passa receber propagandas de terceiros ou outras formas de marketing que não consentiu. O fato de ter fornecido dados para uma finalidade não permite sua utilização para outras. 

O uso indevido de informações também está relacionado a fraudes, golpes e discriminação. Quanto às empresas: além de evitar que isso ocorra e proteger os dados que guarda dessas práticas, elas também podem ser afetadas com a utilização inapropriada de dados financeiros e estratégicos.

Evitar vazamentos de dados

A difusão de senhas e números de documentos na internet pode causar prejuízos financeiros e danos na imagem de seus proprietários. Isso também ocorre se um dado pessoal e sensível se tornar público. Os negócios devem implementar meios que garantam a segurança de arquivos que contenham informações de usuários.

Nas empresas que possuem cadastros de clientes, funcionários e fornecedores, o controle de acesso, com o uso de senhas, Firewall e outros atributos de segurança, dificulta invasões e vazamentos. Além de dados pessoais, informações estratégicas e de pessoa jurídica também devem ser incluídas sob essas salvaguardas.

Prevenir prejuízos

Invasões, vazamentos e uso indevido de dados geram custos para as empresas. Afinal, esse ato pode causar prejuízos diretos, devido a fraudes, transferências de valores e perda de vantagem competitiva com a divulgação de segredos comerciais, bem como, danos indiretos, oriundos de processos ou pela deterioração da reputação da marca. O fato é que a prevenção é menos onerosa que a reparação.

Reduzir vulnerabilidades 

Além das ameaças externas que citamos, problemas internos, como erros humanos, são vulnerabilidades que precisam ser reduzidas para que um negócio proteja informações. A ação proativa dos técnicos, uma cultura de precaução e planos de contingência, impactam positivamente, tanto na redução do risco de que essas situações aconteçam como na reação quando ocorrem.

Melhorar o desempenho do sistema

Um sistema que está sofrendo uma investida hacker tem seu desempenho reduzido. Geralmente, a capacidade de processamento e a memória dos equipamentos são usadas para viabilizar a ação de programas maliciosos e outros tipos de ciberataques. A segurança da informação atua inviabilizando ou diminuindo o sucesso dos invasores, o que melhora o desempenho do sistema e, portanto, aumenta a produtividade da equipe.

Quais são as regras da LGPD sobre esse assunto?

A Lei Geral de Proteção de Dados regula o tratamento de dados pessoais no Brasil, determinando como as organizações devem agir sobre eles. Ou seja, LGPD e segurança da informação estão associadas, no sentido de que uma determina os meios para a outra, com regras como:

  • dados pessoais somente poderão ser coletados com o consentimento expresso do titular, por necessidade ou para fins específicos e previamente informados; 
  • o proprietário dos dados pode solicitar que eles sejam excluídos, revogar a autorização de tratamento e transferi-los para outro fornecedor de serviços quando desejar;
  • quaisquer mudanças na finalidade, incluindo seu compartilhamento ou repasse para terceiros, somente pode ser feita mediante uma nova permissão do titular;
  • dados considerados sensíveis — religião, posicionamento político, características físicas, condições de saúde e questões de gênero ou sexualidade — somente poderão ser usados quando necessários, mediante acesso altamente restrito e de forma não discriminatória;
  • quando os dados deixarem de ser necessários devem ser excluídos, exceto mediante obrigação legal ou justificativa plausível para a sua preservação.

Qual é a diferença do digital frente ao físico?

A LGPD e segurança da informação estão entrelaçadas não só no que se refere aos arquivos digitais, mas também às cópias impressas de documentos, já que as regras dessa norma valem para ambos. No entanto, o digital apresenta vantagens em relação ao físico, pois ele diminui os riscos de perdas, extravios ou erros de arquivamento.

Soluções em Cloud Computing e backups automáticos inibem que danos ao equipamento acarretem a inutilização das informações, como ocorreria com papéis, em situações que afetam o meio físico.

Um dos maiores benefícios do digital é a facilidade no acesso às informações dentro da empresa. A possibilidade da utilização remota e as buscas por meio do sistema de indexação são ótimos exemplos de como isso acontece de forma prática. Além disso, com a digitalização é reduzida a demanda por espaço físico para armazenamento de documentos, garantindo a preservação e a durabilidade dos arquivos.

Quais são os desafios para a digitalização de processos e das informações que ainda estão no papel?

LGPD e segurança da informação são assuntos sérios, mas ainda enfrentam obstáculos como falta de planejamento, de infraestrutura e de capacitação técnica dos profissionais, para a qualificação dos processos de digitalização. Nesse sentido, é fundamental investir em ferramentas e cursos específicos. Também é necessário criar um mindset voltado para o planejamento das atividades de forma que permitam um fluxo de trabalho produtivo e falhas sejam evitadas.

O desconhecimento de normativas é outro desafio. Documentos em papel podem ser revisados e ajustados com novas tecnologias, porém isso não deve ser feito de qualquer maneira, existem determinações legais para tanto. Se a relação entre LGPD e segurança da informação já está clara, outras normas, como o Decreto nº 10.278/2020, também afetam dados em meio eletrônico. Ele prevê regras e requisitos técnicos para a digitalização de documentos, de forma a garantir a sua validade.

Todos esses desafios impactam a capacidade dos gestores de assegurar o uso de ferramentas tecnológicas que se adaptem a essas legislações. Por isso, compreender como LGPD e segurança da informação afetam a digitalização de processos e documentos em uma empresa é fundamental, para a correta aplicação das inovações em benefício do negócio. 

Além disso, escolher fornecedores capacitados, como a Stefanini, cujas equipes especializadas trabalham para encontrar as soluções ideais, que levem a sua empresa a superar os desafios e ter sucesso na era digital, ajuda a facilitar o processo de transformação em seu empreendimento. Entre em contato conosco e descubra como podemos ajudar!

Compartilhe:
Veja mais sobre seguranca_da_informacao0

Vamos cocriar, solicite uma proposta dos nossos especialistas