Como funciona uma fintech

03 de Setembro de 2019 por Stefanini

O setor financeiro tem passado por muitas mudanças, principalmente devido às tendências de segurança da informação que têm surgido. Por isso é fundamental ficar por dentro das principais novidades que podem melhorar ainda mais a experiência do usuário. A mobilidade e a internet tornaram as agências bancárias praticamente obsoletas. Novas ameaças de fraude e de ataques obrigaram as instituições a renovar a sua segurança digital. Além disso, as tendências como Big Data e nuvem têm modificado cada vez mais a forma como os serviços são entregues. 

Agora, companhias que já nasceram nessa era de transformações digitais prometem trazer mais mudanças — o que exige agilidade das instituições financeiras convencionais que desejarem se manter fortes no mercado. Estamos falando sobre as fintechs. 

Você já deve ter ouvido falar sobre esse conceito, mas sabe o que, de fato, significa? Entende o futuro que nos reserva e como as fintechs estão conseguindo destaque frente aos antigos bancos tradicionais? Continue acompanhando e descubra mais sobre o assunto. Boa leitura!

O que é uma fintech?

Esse termo nasceu por meio da união das palavras em língua inglesa “technology” e “financial”. Ou seja, são empresas que usam a tecnologia para oferecer serviços financeiros otimizados e inovadores.

Esse modelo de negócio passou a ter mais destaque depois da crise de 2008, um momento em que a credibilidade de grandes empresas financeiras internacionais foi testada e os consumidores começaram a exigir muito mais transparência e eficiência nesse tipo de serviço.

Também temos visto hoje em dia uma grande mudança de comportamento nas pessoas. Atualmente, o mundo tem respirado tecnologia e informação, e o uso de plataformas digitais e de aplicativos nunca foi tão comum.

Nesse contexto, podemos afirmar que as fintechs chegaram na melhor hora, ou são uma consequência inevitável do mundo moderno. De qualquer modo, podemos listar alguns fatores imprescindíveis na receita dessas empresas: foco em especialização, tecnologia, otimização e inovação. Veja mais detalhes a seguir!

Especialização

Diferentemente dos bancos tradicionais, que oferecem inúmeros serviços, as fintechs se especializam em nichos. Dessa forma, em vez de tentar abranger o mercado como um todo, elas tendem a concentrar os seus esforços em setores específicos para entregar a melhor solução possível.

Essa é uma característica fundamental desse tipo de startup que, apesar de ter surgido como consequência de limitações estruturais e financeiras, acabou se tornando um dos pontos mais fortes dessas organizações em todo o mundo.

Isso não quer dizer que todas as fintechs sejam especialistas em um único tipo de serviço. Geralmente, elas são focadas em um conjunto específico de necessidades do cliente, mas nada impede que elas expandam as suas atividades junto ao seu eventual amadurecimento no mercado.

Foco em tecnologia

A principal característica de uma fintech é o uso eficiente da tecnologia. Essas startups passaram a ser conhecidas por reunirem todas as suas funcionalidades em aplicativos de smartphone e em plataformas virtuais intuitivas.

Atividade que antes exigiam horas de negociação, fila e conversa, agora podem ser solucionadas em poucos cliques — e o melhor: na palma da mão. O mais incrível é que essas funcionalidades chegaram de uma forma tão sutil que nem refletimos sobre o grande passo tecnológico e inovador que elas representam. Faz parte da rotina atual fazer compras, assistir a filmes, chamar um transporte urbano ou pagar as contas pelo smartphone.

Otimização

A tecnologia é o grande palco no qual os avanços e as melhorias oferecidas pelas fintechs se desdobram. Mas o que conferiu o seu imenso sucesso foram as facilidades garantidas aos consumidores.

Muitos dos serviços oferecidos por essas empresas já são bastante conhecidos. O que desperta atenção é o modo como eles são disponibilizados. E, especialmente, sua otimização em relação ao atendimento, usabilidade, cadastro e resolução de problemas.

Várias razões são citadas por representantes da indústria para que as fintechs tenham ganhado tanta força nos últimos meses. Aqui no Brasil, um dos motivos destacados é o investimento e amadurecimento do ecossistema de inovação nos últimos tempos — que agora sustenta a chegada de startups do sistema financeiro.

Outra razão apontada é a própria regulamentação de arranjos de pagamento pelo Banco Central, iniciada em 2013, facilitando pagamentos a partir de celular e de serviços como cartões pré-pago (tudo isso sem precisar da intermediação de instituições financeiras).

Inovação

Inovar já deixou de ser um luxo para empresas, passando a ser agora uma obrigação. Em tempos de transformação digital, em que todos são bombardeados por novidades a todo momento, qualquer tipo de serviço ou produto pode se tornar obsoleto de um dia para o outro.

As empresas jamais se esforçaram tanto para entregar novidades para o seu público consumidor. As fintechs, no entanto, esbanjam grande vantagem nesse sentido. Afinal, elas representam o “novo” por si só, na maior parte dos casos.

Esse segmento de startups certamente é o que trouxe inovações disruptivas para a rotina das pessoas, e é por isso que já são consideradas as principais responsáveis por uma grande revolução financeira que tem preocupado bancos do mundo todo.

Como elas funcionam?

Uma fintech funciona como uma startup clássica, isto é, de maneira predominantemente digital. O centro da estratégia de negócio é o cliente. É bem comum as pessoas compararem os serviços ofertados tanto pelos bancos quanto pelas startups. Segundo pesquisa, a união entre fintechs e bancos trará mudanças na indústria que ajudarão a realizar operações da maneira que deve ser.

A popularização de smartphones e o crescimento do acesso à internet levaram muita gente a adotar soluções mais práticas, que pudessem se integrar melhor a esse novo estilo de vida. Se as pessoas já ouvem músicas, assistem a filmes, chamam motoristas e compram pelo smartphone, por que não podem fazer o mesmo com empréstimos e investimentos?

A associação entre fintechs e bancos já pode ser observada em diversos pontos do mercado, e tem grande potencial para promover alta confiabilidade e custos operacionais menores, além de atender às principais demandas dos perfis dos usuários. Tal revolução pode ser vista a partir das adaptações feitas pelos bancos em seus serviços, os quais são cada vez mais digitais.

Foco no cliente

A ascensão das fintechs tem deixado muitas pessoas satisfeitas, principalmente as que não se adaptam às instituições convencionais e suas burocracias, complicações e filas. 

Mas é preciso reforçar que o surgimento das fintechs não significa a extinção dos bancos. Na realidade, as fintechs apenas trazem duas ideias bastante simples que, quando combinadas, acabam se tornando disruptivas:

  • o serviço das empresas do setor financeiro pode ser muito aprimorado;
  • investir em inovação e em tecnologia é a melhor solução para que esse serviço seja qualificado.

Lembre-se de que transformação digital não é apenas aplicar nos processos de um negócio as mais novas soluções tecnológicas. Bem mais que isso, significa promover uma cultura de flexibilidade, de eficiência, de agilidade e de foco no cliente — pilares das fintechs.

Operação virtual

Além de poupar e de valorizar o tempo dos seus clientes ao simplificar os procedimentos complexos, as fintechs costumam cobrar menos. Afinal, contam com uma estrutura bem mais enxuta, centralizando as suas atividades em operações no ambiente online.

A mudança de cenário é a principal diferença trazida com as fintechs. Isso porque elas criam um novo ambiente para que as vendas sejam concretizadas, e tal inovação pode aumentar o nível de satisfação dos clientes e reduzir os custos dos empreendedores.

Um impacto muito importante dessa mudança pode ser visto entre os compradores a partir dos dispositivos mobile, uma vez que a eficiência dos serviços oferecidos pelas fintechs tem como objetivo acompanhar o imediatismo dos clientes.

Qual é a função das fintechs?

Como há vários tipos de fintechs, as suas funções variam. Os objetivos também são diferentes, mas podemos listar alguns dos mais comuns. Observe:

  • democratizar o setor financeiro;
  • trazer soluções mais fáceis de utilizar por meio da tecnologia, aprimorando a experiência do cliente;
  • promover a inteligência e a eficiência operacional no setor financeiro;
  • tornar as instituições financeiras aliadas na realização dos propósitos pessoais de seus clientes.

Tudo isso é possível porque, graças à tecnologia, são eliminados diversos intermediários que antes existiam entre o cliente e o produto financeiro. É isso que acaba gerando uma relação vantajosa tanto para o consumidor (que tem um caminho bem mais simples para investir) quanto para a startup (que reduz seus custos operacionais). 

As fintechs atuam em vários segmentos. Veja os principais:

  • crédito e financiamento;
  • moeda virtual;
  • negociação de dívidas;
  • meios de pagamento;
  • investimentos;
  • gestão financeira corporativa;
  • gestão financeira pessoal;
  • câmbio.

Não existe um consenso sobre outros segmentos (como o de seguros) fazerem parte do universo das fintechs, mas o mais relevante é que você entenda o conceito. Em alguns segmentos, existem nichos específicos.

Entre os meios de pagamento, por exemplo, há o nicho dos desbancarizados, que é atendido pelos cartões pré-pagos. São alternativas para aqueles que não têm uma conta bancária, mas que desejam consumir serviços e produtos que só podem ser adquiridos com um cartão de crédito ou débito.

Quais benefícios essas startups oferecem?

As fintechs sempre recebem elogios em jornais, blogs e em pesquisas, não só por causa do serviço prestado, mas também em função do tratamento oferecido ao cliente. Diversas startups conseguiram o que a maior parte dos bancos nunca conquistou: a apreciação do público. E alguns benefícios ajudam a ilustrar o motivo disso. Veja a seguir!

Operações simplificadas

O consumidor brasileiro está acostumado a ter muita burocracia no seu dia a dia. Uma empresa que pode prestar serviços de modo simplificado e claro representa uma oportunidade de economizar energia e tempo.

Tecnologia a favor da praticidade

Sem dúvidas, uma grande vantagem que atrai cada vez mais pessoas para as fintechs é a possibilidade de solucionar praticamente tudo pela internet e de maneira segura, muitas vezes usando apenas um aplicativo.

Custos mais acessíveis

O principal motivo para as fintechs serem uma “ameaça” às empresas convencionais é que elas oferecem serviços e produtos de alta qualidade por valores bem mais atrativos ao consumidor.

Tendência

As operações financeiras digitais já fazem parte da rotina de muitas pessoas. Apesar disso, os serviços prestados pelas fintechs oferecem aquele gostinho do que o futuro reserva. Como elas estão sempre antecipando tendências e apresentando novidades, essas empresas também são uma excelente pedida para as pessoas que gostam de se manter antenadas.

Quais são os serviços oferecidos pelas fintechs?

Há fintechs focadas em atividades particulares, enquanto algumas disponibilizam um verdadeiro leque de serviços. Entre as principais soluções financeiras ofertadas pelas startups, podemos citar algumas que são muito procuradas. Confira!

Investimentos

Com uma abordagem que se parece muito com as plataformas de controle financeiro, as fintechs de investimento trabalham com o gerenciamento do seu capital em aplicações e com a educação de clientes.

Pagamentos

A fim de simplificar processos de compra e venda, as fintechs disponibilizam máquinas de cartão sem mensalidade, plataformas de pagamento ou cartões de crédito sem anuidade, entre outros benefícios. Essas estão entre as funcionalidades mais comuns que as fintechs apresentam.

Controle financeiro

As fintechs também são conhecidas por fazerem uma reeducação nos consumidores quanto à administração pessoal de finanças e em relação ao mercado. Nesse sentido, algumas companhias são focadas na gestão e na orientação financeira para empresas ou Pessoas Físicas.

Crédito

Outro serviço responsável por tornar populares muitas startups dessa área é a disponibilização de empréstimos com juros mais baixos e menos burocracia.

Seguros

Fintechs podem apresentar serviços de seguro de modo simplificado, por preços bem mais acessíveis se comparados aos das empresas comuns.

Crowdfunding

O crowdfunding é conhecido no Brasil pelas campanhas de financiamento coletivo. A prática acabou se tornando uma grande tendência pelo mundo todo, motivando a criação de plataformas para captar investimentos voltados para projetos particulares e causas sociais.

Criptomoedas

Antenadas no desempenho das criptomoedas no mercado, as fintechs prestam serviços exclusivos nessa área. Algumas disponibilizam até plataformas de trader completas para operar Bitcoin e demais criptoativos.

Quais são as diferenças entre as fintechs e os bancos tradicionais?

No Brasil, hoje em dia, os cinco maiores bancos concentram quase 90% do crédito disponível no mercado. No entanto, as fintechs têm provado que modelos de negócio inovadores podem impulsionar as pequenas startups e fornecer uma alternativa ao consumidor.

O principal benefício de qualquer fintech está em sua própria essência. Afinal, são organizações totalmente digitais que nasceram com uma comunicação voltada para as novas gerações. Por outro lado, a própria dimensão dos bancos e as operações complexas acabam dificultando a modernização.

Ainda assim, é bem improvável que a tecnologia consiga tornar as instituições bancárias convencionais obsoletas, como fez com a indústria de discos e com os filmes fotográficos, por exemplo. 

Pagamento de taxas

Saindo do ambiente de faturamento, as fintechs podem ser uma alternativa excelente para investimentos ou para conseguir empréstimos. É de conhecimento dos empreendedores brasileiros que ter acesso a um empréstimo pode ser extremamente burocrático ou até mesmo custoso. As taxas de juros altas associadas às dificuldades do processo podem acabar impedindo que as empresas consigam o investimento de que precisam para crescerem.

Sabendo disso, algumas fintechs procuram conectar os investidores aos empresários que necessitam de investimento, facilitando muito a transação e aplicando uma dose positiva de dinamismo ao mercado nacional.

Em um banco, dificilmente encontramos serviços financeiros com taxas menores do que as das fintechs. Como você já sabe, a justificativa para o custo maior da instituição tradicional está na sua enorme estrutura — inclusive de agências físicas.

Manter a roda girando é mais difícil (além de ser mais caro) do que para uma startup. A crítica de analistas geralmente atinge o modelo engessado dos bancos, inviabilizando a prática de valores menores aos bolsos dos correntistas.

Agência física

Um fator que pode preocupar é que os bancos digitais não têm uma agência física. No entanto, se houver qualquer problema, é bem fácil solucioná-lo a partir do site do banco ou pelo suporte do aplicativo.

Por não ter agência física, nem todos disponibilizam o saque em dinheiro. Mas isso não é um problema, porque o usuário pode:

  • usar a Rede Banco 24 Horas para fazer o saque;
  • transferir o dinheiro para a conta em um banco físico e ir até a agência para realizar o saque. Não se esqueça de que as transferências são ilimitadas, logo, não há muito com o que se preocupar.

É importante lembrar que, como a proposta das fintechs é totalmente digital, os seus clientes dependem de uma internet de ótima qualidade. Se o usuário ficar sem conexão e precisar de um serviço urgente, por exemplo, não terá uma agência física para ajudá-lo.

Além disso, é importante mencionar que a principal desvantagem de uma fintech em relação a um banco convencional é a ausência de regulamentação sobre os seus serviços. Isso não quer dizer, absolutamente, que empresas do tipo são ilegais. Mas a regulamentação seria de grande auxílio para guiar as políticas do setor.

Burocracia para abrir conta

Com as fintechs, a conta-corrente do usuário pode ser digital, sem nenhuma burocracia, e com todos os recursos que uma versão convencional oferece. Isso significa que, ao estar conectado à internet, não importa o dispositivo, o usuário faz todas as movimentações financeiras que quiser. Isso inclui pagamentos de contas, transferências de valores, consulta de saldo e de extrato e muito mais.

O golpe maior ao sistema convencional não está só na eficiência, que é maior devido à dispensa de demandas presenciais, mas sim no custo do serviço. Já pensou abrir uma conta em banco livre de tarifas, incluindo até mesmo as famosas taxas de manutenção? Sim, isso é possível. E o sucesso da inovação é tão expressivo que até os grandes bancos têm disponibilizado suas próprias versões de contas digitais.

Uma pergunta que você deve estar se fazendo é: fintechs são seguras? Bom, sabe aquela sensação ruim que você sente toda vez que sai do banco com algum dinheiro? Já imaginou não precisar passar por isso e ter o melhor da tecnologia de segurança em mãos?

A confiabilidade e a segurança, seja qual for a plataforma que você usar, são indispensáveis para trabalhar com dinheiro. É fato que jamais um ambiente será 100% protegido. Afinal, no mundo virtual e no físico, sempre existem pessoas de má-fé atualizando o seu modo de agir para aplicar golpes. Mas não podemos negar que, quando se fala em tecnologia de segurança da informação, os esforços são bem maiores, refletindo nas operações feitas de modo online.

Confira este dado: o investimento em TI (Tecnologia da Informação), que tem como objetivo priorizar a segurança da informação nos bancos, teve um salto de 15%, representando um aporte de R$ 20 bilhões por ano, de acordo com um levantamento da Febraban (Federação Brasileira dos Bancos).

Por esse motivo, é bem mais prudente fazer um pagamento ou uma transferência de valores eletronicamente do que ir até uma agência e sair com o dinheiro em mãos. Afinal, a proteção dos dados é garantida, lembrando que há uma Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) para assegurar isso.

As fintechs operam no ambiente digital, portanto a privacidade e a segurança de suas informações são proporcionadas pelas melhores práticas, incluindo a chamada transmissão criptografada de informações — contribuição do blockchain para segurança de dados.

Como surgem as fintechs?

A maioria dessas iniciativas vem de startups que aplicam a tecnologia ao mercado financeiro, tornando, assim, os produtos e serviços menos conservadores e mais eficientes. O objetivo é criar novos paradigmas de atuação. Tal inovação acaba refletindo diretamente no comércio, em especial nos e-commerces.

São vários os setores de atuação desse mercado: empresas de gestão contábil, financeira e instituições de pagamento, novas maneiras de investimento ou proteção financeira… As fintechs criam outras formas de pensar o seu negócio.

Agora você já sabe o que é fintech, assim como o funcionamento e os benefícios dos serviços oferecidos por essas startups financeiras. Sem dúvidas, essa pode ser uma oportunidade perfeita para uma empresa. Já imaginou ter acesso a facilidades que antes eram prejudicadas pelo custo, burocracia e ineficiência de modelos pouco atrativos? Deixe a inovação entrar e faça parte da história ao se beneficiar de tudo o que uma fintech pode oferecer.

Gostou do texto e gostaria de aprender mais em nosso blog? Então aproveite para ler também o texto “A Revolução da Inteligência Artificial”!

Compartilhe:
Veja mais sobre digital_bank

Vamos cocriar, solicite uma proposta dos nossos especialistas